Skip to Content

LETRAS NA PAISAGEM


"Letras na Paisagem é um projeto de autoencomenda mais próximo da poesia 
visual, da escultura ou da  Land Art do que do desenho gráfico e tipográfico.
 Surgiu quando Lizá Defossez Ramalho e Artur Rebelo encontraram, por acaso,
 uma letra «a» de grande tamanho abandonada num descampado. Esse «objeto
 encontrado» — em linha de continuidade com as propostas artísticas dos inícios 
do século xx ou, mais concretamente, com a intervenção do acaso como parte
 do processo criativo introduzido pelos dadaístas — deu lugar ao que os seus
 autores propõem como «um ensaio visual sobre o erro, o engano do abandono,
 o desnorte, a riqueza do caótico e do desconcertante, a desativação e a beleza 
do descartável.

Com ele é possível traçar um paralelo ao percurso criativo, 
a procura de um caminho e de uma orientação que nos ensine como chegar onde 
se pretende. Não há método, apenas muito trabalho e capacidade de imaginação.
 O jogo coloca em lados opostos o falso e o verdadeiro, o que é e o que não é.»
 A partir do «a» encontrado, o ateliê R2 design criou um alfabeto em caixa alta 
com sinais de pontuação, baseado na tipografia Ordinaire , de David Poullard. Não 
obstante, não se tratava tanto de levar a cabo um exercício de criação tipográfica 
instigado pelo acaso, mas sim de efetuar uma exploração sobre o uso das letras 
na Língua Portuguesa e, sobretudo, de refletir, através da linguagem, sobre como
 «a própria realidade é subjetiva, passível de diferentes interpretações, dependendo
 de quem a presencia. Esta foi a forma como interpretámos a realidade que nos
 foi apresentada» (nas palavras de Defossez Ramalho e Rebelo)."



artigos | by Dr. Radut