Skip to Content

HOJE É SEMPRE ONTEM


"Tudo no Rio de Janeiro parece simples. A vida é uma longa sucessão de momentos agradáveis e de experiências maravilhosas. Um suco de açaí, um passeio pela floresta da Tijuca, uma picanha na Gávea, uma tarde de praia em Ipanema, um pôr-do-sol no Arpoador, e o dia ainda mal começou.

Em uma breve correspondência por email acerca desta exposição, Blaufuks comentou: “são fotogramas de um filme que é o meu embate com a paisagem do Rio de Janeiro. Esta é linda, podre, tropical, melancólica, erótica, decadente entre muitas outras definições possíveis. É, claro, a visão de um europeu.”
"Nessa seqüência de imagens/ paisagens somos surpreendidos por uma temporalidade, quiçá uma luminosidade, onde se irmanam serenidade e desencanto. A pobreza não é nunca miserável, as ruínas se insinuam pelos cantos das salas, a confusão urbana aparece contida e explosiva, as fisionomias são mais graves que alegres (coisa estranha numa cidade que gosta tanto de se ver rindo), as flores e frutas condensam uma sensualidade que não está nas praias, que são mais místicas do que físicas.A câmera que circula pela cidade traduz a experiência do fotógrafo exigente misturada à surpresa do viajante disponível. Por um lado, uma enorme atenção à dimensão formal da imagem: o enquadramento, a luz, as texturas, os contrastes, a edição, tudo ali é resultado de um olhar que faz escolhas precisas. Por outro, é como se escapasse uma viscosidade própria a uma realidade estranha, ao mesmo tempo familiar e inusitada, dando a algumas fotografias um cheiro acridoce, curtido pelo tempo desacelerado da umidade, da maresia e do descaso das esquinas cariocas."



artigos | by Dr. Radut